Amores Roubados: conheça o livro que inspirou a minissérie!

Amores Roubados: conheça o livro que inspirou a minissérie!

Amores Roubados: conheça o livro que inspirou a minissérie!

amores

Você assistiu a minissérie Amores Roubados? Após a grande polêmica que envolveu os atores Cauã Reymond e Ísis Valverde e um possível boicote do público, a série exibida pela rede Globo, teve um bom retorno de audiência, com uma excelente trilha sonora (com músicas do grupo britânico The XX e outros sucessos)  e um elenco majestoso, que contou com estrelas do porte de Osmar Prado, Patrícia Pillar, Cássia Kiss, Dira Paes, Murilo Benício,  entre outros.

Elenco-de-Amores-Roubados
Parte do elenco da série

A história foi adaptada por George Moura, a partir de um polêmico livro clássico da literatura nacional, chamado ‘A Emparedada da Rua Nova’, escrito na virada do século XX, pelo escritor Carneiro Vilela.  No livro, o pai, muito envergonhado em ver a filha grávida de um mulato em meio a uma sociedade extremamente racista, resolve emparedar a jovem. A história se passa na segunda metade do século XIX. Mesmo com a filha implorando por sua vida e do filho que carrega, o pai não volta atrás.  O vilão vai para a Europa e depois vira membro da Igreja.

amoresroubadosisiscaua
Ísis Valverde e Cauã Reymond como Antônio e Leandro na minissérie

Mas não foi bem assim que a minissérie acabou, em Amores Roubados, Leandro (Cauã) foi assassinado a mando do pai de Antônia (Ísis). O pai, morre ao cair do precipício, ao ser confrontado pela filha que o acusa de assassinar o pai de seu neto. É claro que o fim do livro, além de muito cruel, não era absurdo para uma época racista e principalmente machista. Uma filha grávida era comumente expulsa de casa, espancada, deixada em prostíbulos ou até mesmo morta. A minissérie, deu um tom mais leve e Antônia pode criar o seu filho na beira do Rio São Francisco.

Conheça um pouco do livro:

 

a emparedada

Sinopse

“A emparedada da Rua Nova”  de Carneiro Vilela

‘A emparedada da Rua Nova, de Carneiro Vilela, é narrativa folhetinesca, dramática, cheia de lances de suspense, que retrata a sociedade da época a partir de escândalo familiar: relata o caso de uma jovem burguesa, engravidada pelo namorado e que foi emparedada viva em seu próprio quarto para encobrir uma possível “vergonha” familiar. O crime foi cometido num sobrado na Rua Nova, em Recife, onde hoje está localizado um prédio que, segundo o neto do escritor, tem o número 200. Sendo provavelmente, ao lado dos romances de Mário Sette, uma das mais conhecidas obras desta coleção. O próprio Lucilo Varejão Filho já havia providenciado, na década de 1980, quando foi membro do Conselho de Cultura da Fundação de Cultura da Cidade do Recife, uma edição do romance, esgotada. Carneiro Vilela foi escritor prolífico, autor de 14 romances, poemas, comédias, operetas e poesias. Jornalista, publicou vários dos seus romances na forma de folhetim, como A emparedada, publicado semanalmente, entre 1909 e 1912. ‘

Reza a lenda, que os leitores do folhetim invadiram a redação do jornal para saber o final da história de Carneiro Vilela, tamanho era o sucesso e o suspense quanto ao final.

Você gostou da série? Qual a sua opinião?

Por M

Deixe o seu cometário